Os Servidores Efetivos fizeram hoje (16) novo ato unificado de protesto contra a falta de pagamento dos salários pela Prefeitura. A manifestação, organizada pelo Sindspef-SG, reuniu cerca de 600 pessoas de todas as secretarias com o reforço dos trabalhadores terceirizados de varrição de rua da empresa Comercial que não recebem salários há três meses.

Os trabalhadores, que começaram a se reunir às 9 horas da manhã, ocuparam duas pistas da Rua Feliciano Sodré com palavras de ordem contra o prefeito Neilton Mulim. Ao contrário do que ocorreu na sexta-feira (11), a Secretaria de Administração não se pronunciou e nem recebeu a comissão de negociação do Sindspef. Sem pagamento, a greve dos servidores continua.

– A cada dia que passa a situação piora e o sofrimento aumenta. A ordem é ou paga ou paga, não tem arrego. Não vamos pagar pelos erros do prefeito de jeito nenhum. Não vamos sair da frente da Prefeitura até ele pagar e criar um calendário de pagamentos para novembro, dezembro e janeiro, incluindo o 13º – afirmou Rosangela Coelho, presidente do Sindspef.

O jurídico do Sindspef entrou no dia 8 de novembro com pedido de bloqueio de recursos da Prefeitura para pagamento prioritário de Servidores.

Logo após o ato, foi realizada Assembleia unificada do Sindspef e do sindicato dos professores (SEPE), que deliberou pela continuação da greve e mais dois atos de protesto, um amanhã (17) e outro na sexta (18), nas escadarias da Prefeitura. A Assembleia ocorreu no Colégio Castello Branco, no Boaçu.